Conheça 7 pilares para levar seu programa de automação a todo negócio

Até 2021, de acordo com a Forrester, o mercado de RPA deve alcançar US$ 2,9 bilhões. O rápido crescimento da adoção da tecnologia acontece com o surgimento de ecossistemas mais complexos e mais difíceis de serem gerenciados devido a novos regulamentos de privacidade, sistemas legados e defasados e orçamentos mais curtos. 

Dessa forma, a automação de processos robóticos (RPA) pode ajudar sua empresa a melhorar a eficiência com a automação de tarefas rotineiras. Entretanto, para tirar o máximo proveito dos benefícios que o RPA pode proporcionar é necessário dar atenção a alguns pilares para orientar na adoção da tecnologia. 

  1. Suporte executivo
    Contar com o suporte dos líderes da empresa é essencial para a adoção de novas tecnologias, ainda mais quando essa adoção envolve a mudança em processos e no dia a dia de trabalho. Esse apoio é essencial para iniciar a transformação, mas também é necessário durante toda a jornada. Isso só é possível se todos entenderem, em termos práticos, o real impacto do RPA para os negócios.
  2. Mais valor
    Garantir o melhor retorno do investimento (ROI) é relativamente fácil com a adoção do RPA, afinal, transformar um processo lento e caro em algo que robôs fazem facilmente e melhor reduz custos. Mas apenas reduzir custos não é suficiente, é preciso agregar valor:  crescimento da receita, experiência do cliente e do funcionário e maior facilidade para atender novas regulamentações e conformidade são algumas das métricas que devem ser usadas para entender os benefícios do RPA.
  3. Mapeamento de processos
    É preciso entender que apesar do RPA automatizar tarefas repetitivas, como migração e entrada de dados, sua adoção pode não ser ideal para outros processos mais complexos.  Então é importante mapear esses processos antes de iniciar sua jornada de transformação digital. Esse mapeamento também envolve a “desconstrução” de processos complexos, vincular tarefas a resultados e descobrir como os robôs podem ajudar.
  4. Centro de Excelência (CoE)
    CoE ajuda a padronizar uma estrutura de implementação de RPA na empresa, e contribui para otimizar os recursos, e para que todas as áreas envolvidas no projeto de automação estejam alinhadas e colaborem para que qualquer problema seja rapidamente resolvido durante a implementação do projeto de automação.
  5. Envolvimento da TI
    O envolvimento da área de TI é essencial para o planejamento, construção e manutenção da infraestrutura necessária para a implementação e dimensionamento do RPA. Sem isso, dificilmente os robôs começarão a trabalhar. Então a TI deve participar desse processo desde o início e estar envolvida durante toda a jornada de automação.
  6. Controles
    Mesmo que não existam diretrizes explicitas para automação, é preciso que o RPA atenda e mantenha a conformidade, para isso é necessário aplicar uma estrutura de controles à automação de processos, que mapeie os requisitos necessários e faça um monitoramento preventivo.
  7. Analistas de RPA 
    Analistas de RPA são usuários finais que criam aplicativos e identificam oportunidades em que o RPA pode agir de maneira eficaz. A combinação entre robôs e pessoas pode transformar um processo e preencher lacunas que apenas o RPA não consegue atender. 

Esses pilares trabalham de forma interconectada. Ainda assim, é fundamental entender quais desafios podem ser encontrados para implementar a jornada de automação na empresa e descobrir como superá-los.  

Automatizar processos e tarefas repetitivas permite que seus funcionários se dediquem a agregar mais valor aos negócios. Saiba como a Practia pode te ajudar.